Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DA JANELA DE MEU QUARTO




Dormes...ao calor, toda espraiada,
As pálpebras lânguidas, o corpo descoberto.
E dormes silenciosa. A face bela
À frouxa luz do quarto  iluminada,
E a brisa a voar pela janela.

Dormes... Moema querida, desprovida
Das finas vestes que ao poeta inflama,
Os teus cabelos nos lençóis  caídos,
E até ao assoalho se derramam.
E dormes... aos sons dos meus suspiros atrevidos.

Lá da janela, onde o silêncio impera,
Furtiva imagem te roubei, divina,
Quando o vento acalmava a primavera,
Do alto, eu assoprava tua cortina.
E dormes...à espreita do amor por sentinela
 

A noite ia correndo, e nos telhados
A lua, nos quintais, sereno,
As luzes se apagando noutros quartos,
E noutros tremulando mais amenas.
E dormes...E tudo eu avistando lá do alto.

Voltava a te fitar, depois, mais triste,
Querendo me explicar à desventura.
Por que cousa tão bela assim existe?
E o pranto fez-me a pausa na amargura...
E dormes ainda... quando com a colcha te cobriste.

Geraldo Altoé
Enviado por Geraldo Altoé em 06/11/2006
Reeditado em 30/08/2007
Código do texto: T283412
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Geraldo Altoé
Serra - Espírito Santo - Brasil, 60 anos
747 textos (17679 leituras)
1 áudios (13 audições)
2 e-livros (164 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 17:06)
Geraldo Altoé

Site do Escritor