Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PORQUE O MONDEGO CANTA BAIXINHO(versão 2006)

Coimbra, a minha terra banhada pelo rio Mondego possui uma universidade centenária e estudantes, a maioria de outras terras longe daqui que se vestem de fato e capa preta, que além de estudarem possuem uma aturada vida ex-curricular, passeando pela cidade noite alta a cantar ou apenas de festa em festa. Cantam o fado de Coimbra, um dos fados tão típicos de Portugal e que canta a saudade da despedida, dos estudos, de um amor mais ou menos bem conseguido. O texto que se segue é a segunda versão de um fado que fiz em tempos idos de faculdade.
             PORQUE O MONDEGO CANTA BAIXINHO
                     (versão 2006)

Deixei-te na despedida
No altar da estação
Ia de férias
Para longe de ti
Ia para a minha terra
Porque ia começar o verão
Senti que fiquei em fim sozinho
Chorei sem ninguém notar

Porque o Mondego canta baixinho

O amor,
Hó o amor
Era fado
Que desconhecia
Até
Te ter por fim
A meu lado
E ter mudado o meu destino
Por acaso ou

Porque o Mondego canta baixinho

Eu era de longe
Tu eras daqui
Eu estudava
Tu trabalhavas
E foi por acaso
Que te conheci
Capa negra lancei
Sobre ti
Como prova
Do meu carinho
Trocámos afectos
E juras de amor
Abençoados
Por bom vinho
Sem nada repararmos

Porque o Mondego canta baixinho

Animado pelo paraíso
Deixei de dar atenção
Aos livros, à sebenta
E de casa veio
A terrível sentença:
Iria voltar
E arranjar um emprego de homem
Deixando a vida de doutor
Mas foi por ficar longe de ti
Que se me apertou o coração com dor

Porque o Mondego canta baixinho

Jamais te veria
Iria para o outro lado do mundo
Poço
Sem fundo
Onde a saudade
De ti
Me iria consumar
Por tanto
De ti gostar

Hoje trabalho num escritório
Casei
E tento ser feliz
Mas ainda sinto a tua falta
E dos tempos
Que da vida era aprendiz
E por isso
De vez em quando
Regresso à cidade
Para te encontrar
Pois foi por ti
Que o meu coração
Ainda não me deixa respirar
Morena
De sardas
E olhar cativante
Tudo passou
Nada se repete
Mas desde que te vi
Que soube que nada seria como dantes
Ainda te amo
Ainda tenho por ti carinho
Mas só ele soube
Porque assistiu a tudo

Porque o Mondego canta baixinho
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 07/11/2006
Reeditado em 08/11/2006
Código do texto: T285027

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5077 textos (170328 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 18:51)
Miguel Patrício Gomes