Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Condenação

Amar é ridículo, já foi dito
Mas se trata de verbo nulo
Igualo-me nesse ridículo
Ridículo, amo e sou maduro

Quem pode o amor não querer
Se grandes nele mergulharam?
Se o amor é condição para ser
Se os ícones também amaram?

Julieta e Romeu, Helô e Abelardo
Marx e Jenny, Aleida e Guevara
John e Ono, Gandhi e Kasturbai
Vá ver: até o Prestes e a Benário

A seu modo cada um é na paixão
Grandes e invisíveis têm provado
Verdadeiro humano ama e assume
Seja Silva, Oliveira ou Machado

Pertencemos ao gênero humano
A ser gente precisamos chegar
Mas como alcançar a realização
Se o ser pleno requer o amar?

É por isso que o amor ridículo
Desdenha frieza e indiferença
Ridiculariza quem não aceita
Que amar é signo de existência

Ridículo ou não, estou convicto
Nem é possível desinvenção
Poder amar e ser amado
É minha única condenação
Wilson Correia
Enviado por Wilson Correia em 10/11/2006
Código do texto: T287138

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Cite o nome do autor e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Wilson Correia
Amargosa - Bahia - Brasil
1192 textos (498151 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 17:00)
Wilson Correia