CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

No Alto da Colina



Ouvi da boca dele
Que não existia nem beleza nem romantismo no sertão
Subi no alto da serra
E chamei pelo olhar triste o anjo da solidão
Mas ele estava num dia ocupado demais
Então pediu que um outro anjo qualquer descesse até a Terra para acompanhar a moça de Batatais
Essa menina esta em perigo ?
Não! Ela só precisa sentir o calor de um amigo
E o anjo vôou até o alto da colina
Na certeza de que encontraria só mais uma menina
Para sua surpresa ele encontrou uma mulher
Perto do abismo mais ainda com um olhar de pura fé
Ele lhe estendeu a mão e caminhou a passos largos em sua direção
Mais a moça não podia lhe ver
O mal da juventude é não distinguir amor de paixão
Pelo tamanho da sua dor
O anjo pressumiu que ela ainda não havia conhecido o verdadeiro amor
A moça tentava desatar dentro de si um nó
Enquanto o anjo desesperado tentava fazer com que ela soubesse que nunca estaria completamente só
Mas a moça não podia o anjo ouvir
O que fazer se o anjo só queria vê-la por um minuto sorrir ?
Então do alto da colina
Com todo o seu fôlego o anjo na direção da moça soprou
Como o vento da liberdade os longos cabelos negros dela balançou
E debaixo daquela imensidão azul do céu
O anjo viu pela primeira vez o sorriso de Raquel
Ele sorriu de volta em profunda alegria
Sua missão seria fazê-la sorrir para ele todo dia 
Afinal no lugar do anjo da solidão
Veio a Terra protegê-la o anjo da poesia
Que de agora em diante a acompanharia principalmente nos momentos de dor
E ensinaria a ela que no sertão também existe muito amor
Que a mesma mão que segura com firmeza uma enxada
Pode também ser delicada para plantar e colher uma flôr até mesmo na madrugada
Perdoe aqueles que não sabem amar
Pois nesse mundo é preciso muita coragem para em meio as tesouras abrir as asas e voar
Mas os anjos estão espalhados pelo mundo
É só ter sabedoria para saber procurar
Acreditar nos seus sonhos para um anjo encontrar
E acima de tudo ter discernimento para entender
Que amar é deixar o outro livre para voar e de braços abertos ficar a esperar
Porque nenhum sentimento é mais livre do que saber amar...









                                           






Raquel Cinderela as Avessas
Enviado por Raquel Cinderela as Avessas em 09/11/2011
Reeditado em 09/11/2011
Código do texto: T3326549

Comentários

Sobre a autora
Raquel Cinderela as Avessas
Batatais - São Paulo - Brasil, 30 anos
581 textos (39914 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 28/07/14 07:19)