Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Profanas

 
Profana mim’alma, mais uma vez
Siga pelo meu corpo num sentido único
Esparramando pelas vias de minha tez
Este seu sentido que se faz infunico...
~
Profana-me dizendo a verdade
Calando-se apenas neste sorver,
A tua boca que me suga numa total intensidade
Como um gelo no meu calor a derreter...
~
Profana, destrua, queime tudo o que puder
E se sobrarem cinzas, deixe-as ir com o vento
Pois ele me formará, novamente mulher
Marcada por ti, em um único advento...
~
Então me faça mais uma vez profana
Rasga a minha seda, borre meu batom
No teu corpo, num todo estarei ufana
Pelo jactante momento, num suave semitom...
~
Diante disso faça de meu reverso o teu verso
Cante-me, inebria-me, faça-me teu poema
Composto pelo teu instinto mais perverso
E só depois nos teus braços, me condena...
~
E assim, perpetua-me nesta tua sina desencadeada
Profana-me deste modo, sem palavras, e sem razões
Pois sou como a flor, sublime, leve, delicada
Uma rosa desabrochada entre os teus botões...
~
Que é regada pelo mesmo suor que nos banha
Este que verte da pele, tão salgado humor
Que deveras, num todo me assanha
Prazeres embriagados, desse licor de amor...
~
Profana-me, dizendo-me que sou a nução de seu pecado
E me condene, se achares que não se envolveu
Castra-me, se eu não fora eu seu desejo mais desejado
E me cale, se no meu corpo a tua estória não escreveu...
Marco Ramos
Enviado por Marco Ramos em 12/07/2005
Código do texto: T33401
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Ramos
Salvador - Bahia - Brasil, 47 anos
242 textos (16662 leituras)
5 áudios (355 audições)
3 e-livros (406 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 06:58)
Marco Ramos