Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Súplicas

LAMENTOS DE ANGÚSTIA ME OPRIMEM
EM ÁGUAS SE DESFAZ O MEU OLHAR,
MEUS OLHOS SE DESLUMBRAM EM TORRENTES
O FEL DE MIM EXTRAI O PALADAR.

SENTADO,SOLITÁRIO E EM SILÊNCIO
REFLITO O QUANTO ESTOU,EU, A PENAR.
ME OUÇO, NÃO ME ESCUTO;CALO E GRITO
SÃO FORMAS DE SAIR DO PERIGAR.

NÃO HÁ COMO ENTENDER O MEU DILEMA,
EU SINTO MAIS NÃO FALO DE AMOR.
QUERIA DISCUTIR COM ALGUÉM MEU LEMA:
HÁ DOR QUE SE COMPARE À MINHA DOR?

SUPLÍCIO DE UM AMANTE É ESTA TROVA
DE ALGUÉM QUE SE CONSOME DE AMOR.
PUDERA TAL EU-LÍRICO TER PROVA
SE EM UM DE SEUS ESPINHOS BROTASSE FLOR!

É ESTA A ÂNSIA DESTE CAMINHANTE
ENCONTRAR ALGUÉM QUE O LIVRE DO LABOR
QUE O LIVRE DAS AMARRAS HUMILHANTES
E LANCE-O NOS BRAÇOS DO AMOR.  
Deivesson de Sousa
Enviado por Deivesson de Sousa em 10/08/2005
Código do texto: T41671
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Deivesson de Sousa
Estância - Sergipe - Brasil, 28 anos
52 textos (2049 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 18:06)
Deivesson de Sousa