Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

VERSOS NA JANELA

Hoje te vi naquela estrada,
E te observei de longe,
A visitar uma outra rua,
Ao se prostrar bem tranquilo,
Embaixo de uma linda janela,
Declamavas um singelo verso,
Quem sabe assim acalantavas.
Um triste coração solitário.
Trazendo sonhos ao desconhecido.
Hoje nenhuma palavra chegou,
Nada foi dito ou respondido,
Quem dirá da minha poesia,
Que de tola já foi esquecida.
Pois triste agonia anda a expressar.
Não te culpo, fui eu que errei,
Minhas tristezas nelas contei,
E as poucas alegrias contive,
Pois, neste momento são tão pequenas.
E me pus mesmo assim a versar,
Descrevendo o que na verdade sinto,
E então falei do meu medo e desta dor,
Da incerteza de poder sonhar,
E falei assim deste amor e da saudade,
Que vagam a me machucar.
Eu creio que deveria ter mentido,
Fazendo versos ao desconhecido,
Deveria ter calado e ter esquecido,
Teus olhos naquela minha estrada,
E ter deixado totalmente perdidas,
As tuas lindas e ternas poesias,
Do lado de fora da minha janela.


29/07/03
 
Sonia Ferraz
Enviado por Sonia Ferraz em 24/08/2005
Reeditado em 17/07/2016
Código do texto: T44732
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Sonia Ferraz
São Paulo - São Paulo - Brasil, 61 anos
665 textos (37146 leituras)
33 áudios (5813 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 22:15)
Sonia Ferraz

Site do Escritor