Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AVISO INÚTIL DE ABANDONO



Este deverá ser
muito provavelmente
o último poema
que desenho no teu corpo.

Movimenta-te devagar
para lhe oferecer alguma harmonia
e, como num passe de mágica,
uma iluminação que só se repete
no abrir dos teus olhos
quando acordas.

Devagar podes auxiliar-me
inventando frases doces como mel
e cobrindo-as com o murmurar das plantas
quando crescem livres
num belo dia de sol.

As planuras descobertas dos lençóis
esboçam alcançar o reflexo das luas
e das estrelas inumeráveis,
onde as palavras se aconchegaram
para te receber, a cada dia,
com o rosto moldado pelas emoções
e eu deixo-as evoluir, como fumos
de um incêndio que nos observa
na brancura do tecto.

Agora é o momento de seguir viagem
sem saber se haverá regresso.
Mas deixo a porta aberta no limiar
do adeus que não digo.
Aqui ficará um anjo da guarda
a cuidar da tua sombra a evolar
abraçada à minha
no dorso da paisagem.
Como vês não foi preciso falar de mar
nem de lágrimas ou de abandono.
O poema está completo.


José António Gonçalves
(inédito.15.09.04)

http://members.netmadeira.com/jagoncalves/

 
JAG
Enviado por JAG em 29/08/2005
Código do texto: T46120
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:21)
JAG