Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

restos de um castelo de areia


Praia...
Fim de tarde, de verão.
Restos de um castelo de areia.
Que algum menino construiu
Deixando ali como marca
Do dia feliz que ali passou
Sentei-me ao lado, do que restava.
Daquele castelo semi destruído, onde.
A onda mansamente tocava, meus pés.
No vai e vem das  marés, arrastando.
Grão após grão, nada deixando.
Uma lágrima, em  meu rosto rolou.
Lembrei-me do castelo que construí
Não na praia, mas no meu coração.
Aonde o amor ia, reger minha vida.
Mas tudo foi como este castelo.
Que á água carregou, grão após grão.
Nada deixando para traz, tudo levou..
De repente, a onda se foi.
E deixou de tocar  meus pés.
Ficando a distancia como se observasse.
O que eu faria a seguir, eu fiz.
Com minhas mãos, o castelo eu reconstruí.
Num desafio as águas, que calma repousava.
No seu leito, onde embalada  ao sabor do brisa.
Que suavemente sopra, em direção ao mar.
Num gesto simbólico, acenei para a água.
E fui embora, ali deixando, meu castelo meu sonho.
E a esperança, de encontrá-los no dia seguinte.



                             Volnei R. Braga

Volnei Rijo Braga
Enviado por Volnei Rijo Braga em 03/09/2005
Código do texto: T47351
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Volnei Rijo Braga
Pelotas - Rio Grande do Sul - Brasil, 69 anos
2314 textos (147455 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 12:09)
Volnei Rijo Braga