Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Casamento

Meu caro amigo
É com prazer que lhe digo
Encontrei uma mulher
Linda, maravilhosa
Bonita e gostosa
Vou vê-la de novo
Ao iniciar agosto

Minha cara amiga
Por favor me diga
Se homem algum
Ou se nenhum
Há de gostar de mim
Ou me deixará no fim

Rapaz você tem que ouvir
Ela sabe me fazer rir
É esperta, bonita
E só comigo fica
Loucura na cama
E depois diz que me ama

Menina me escute
Esse cara comigo não discute
É lindo, inteligente
Também é gerente
Cavalheiro atencioso
E na cama, só alvoroço

Amigo, neste bar anuncio
Capturaram meu coração vadio
Uma mulher
Sabe o que quer
Me ama como ninguém
E seu coração é meu também

Querida me ouça
Esse rapaz até lava a louça
Me disse finalmente
E inesperadamente
Seu amor a mim
E me trouxe mais bela jasmim

Meu irmão, digo
Meu casamento será no domingo
Ela planejou tudo
Chamou até um mudo
Para tocar piano
Enquanto digo que a amo

Minha mãe me ajude
Um vestido à altitude
Eu preciso ter
Para meu bem querer
Tem que ser perfeito
Você chamou o prefeito?

Rapaz
Meu emprego não da mais
Tenho alimentado quatro bocas
Minha mulher ta ficando louca
Chama-me traíra
Diz que saio com uma Maira

Amiga
Passe-me a espiga
Aquele traidor
Menospreza o meu amor
Cozinho pra ele todo dia
E ele nem me dá simpatia

Meus filhos queridos
Eu sei que tenho ido
Muito mais tempo
Que longe agüento
No fim de semana os vejo
Paz eu desejo

Meus filhos, amores
Papai se foi com dores
Pois amava vocês
Esperem o fim do mês
Que papai volta já
Pelo fim de semana os amar

Rapaz esse divórcio
Pelo menos abri um bom negócio
Mas meus filhos longe
E eu vou pra não sei onde
Que saudade
Digo sim, é verdade

Amiga me diga
O que é este frio na barriga?
Medo de sem ele viver?
Ou pena de meus filhos entristecer?
Me diga amiga
Me diga

Amigo, meu filhos cresceram
Outros amigos morreram
Vivi bem
Não devo a ninguém
Daqui a pouco eu morro
Deixarei de ser um estorvo

Amiga quanto tempo
Por favor venha aqui dentro
Me diga as novidades
Não precisa ser verdade
Já estou velha
E outro por mim zela

Quanto tempo não te vejo
A este encontro a séculos almejo
Como vai velho amor?
Curou-se da dor?
Continua linda
Não esperava tua vinda

Eu estou bem
E você? Também?
Encontrei outro amor
Ele é um senador
Mas não te esqueci
E tuas lojas eu vi

Sempre te amei
E nunca deixei
Me fale o que sentiu
Eu sempre te amei, ouviu?
Neste leito de morte
Me diga se tenho sorte

Descanse em paz
Eu não te quero mais
Mas se conforte
Tu tens sorte
Pois ainda te amo
E te amei por todos esses anos.
BOI (Luciano Alencar)
Enviado por BOI (Luciano Alencar) em 01/10/2005
Reeditado em 15/11/2009
Código do texto: T55541
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original).
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
BOI (Luciano Alencar)
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 29 anos
246 textos (25430 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 16:02)
BOI (Luciano Alencar)