Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Quem dera...

 Da minha janela contemplo o céu escurecido.
 Um vento frio toca meu rosto, me acariciando.
 Como se me consolasse a falta que tenho de ti.

 Quem dera que escutasse o grito da minha alma.
 Que chama pelo teu nome.
 Ah! Se atendesses ao apelo do meu coração!
 
 Se sentisses a dor da minha saudade.
 Saudade essa que me consome.

 Quem dera que chorasses o meu pranto.
 Que desejasses os meus afagos.

 E quem sabe, essa saudade não doia tanto.
 Essa tristeza não seria tão triste...
 Seria saudade dividida!

 Veio contigo tanta riqueza de amor.
 Amor que abracei com tanto calor.

 Amor que de mim escapou, deixando essa
 lembrança nostálgica.
 Ficando em meu coração o pesar de um
 amor fugido. Antes tão amado!

 
Aurinete Alencar
Enviado por Aurinete Alencar em 21/10/2005
Código do texto: T61948
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Aurinete Alencar
Campina Grande - Paraíba - Brasil
72 textos (6171 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:00)
Aurinete Alencar