Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Travessia do amor

No caminho por onde eu passava
Havia um rio, cuja travessia
Era uma pinguela(*) de madeira
E corre-mão de bambu.
Minha mãe recomendava passar
Uma criança por vez e devagar
E advertia, cuidado, menino, não sacuda
O corpo que a pinguela pode quebrar!

Turva era a água do rio Santana
Que uma ou mais vezes por semana corria barrenta
Pelas fortes chuvas em suas cabeceiras
Vinha inundando tudo, levava casas, pontes
E bananeiras, a pinguela que pela lama
Ficava amarela, resistia às intempéries
À semana inteira.

Aos domingos minha mãe se juntava às lavadeiras
Enquanto eu, menino franzino, pulava
Por sobre as pedras escorregadias em malabarismo
Olhava o rodamoinho das águas e via o abismo
Que a vida inteira eu ia enfrentar.

A pinguela sobre o rio ainda existe e no mesmo lugar,
As casas e as pontes foram reconstruídas
As bananeiras morreram, renasceram e deram cachos
Assim como o meu amor que não se cansa de sonhar.
________________________ //________________________________
(*) PINGUELA: Tronco de árvores colocado sobre os rios em algumas regiões de Minas Gerais, com varas de bambu nas laterais para travessia de pedestre de forma mais segura.
_______________________ //_________________________________
R J Cardoso
Enviado por R J Cardoso em 24/08/2007
Reeditado em 24/08/2007
Código do texto: T621305
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
R J Cardoso
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
3171 textos (82377 leituras)
2 e-livros (437 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 08:35)
R J Cardoso

Site do Escritor