Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O HOMEM LIVRE

 
José António Gonçalves
 
É um relampejo de vida, obscuro
como as paredes dos quartéis e das prisões;
e é alameda que se adianta célere e labiríntica
debaixo dos meus pés de homem livre.
 
Os caminhos são controversos
e não conduzem a nenhum lugar; ausentes
as ambições pesam sobre os ombros
e silenciam a vontade, surda, de derrotar o mar.
 
Nas costas vergastadas, semeados crescem
os apelos do verde, os espinhos de lâminas
afiadas, esperando nas encruzilhadas; os muros
são invisíveis aos olhos comuns, mas doloridos no coração.
 
As gaivotas, em festa de cigarras e milhafres,
são os mastros das debandadas matinais; lá vão
atrás dos barcos, com o papo cheio de peixe morto
e de vento, sob o comando insólito da linha do horizonte.
 
São garças e partem, no seu voo em contra-luz;
parecem sós e rasam as escarpas, as ondas encapeladas
do oceano e a areia preta da praia. Só, por aqui, eu fico,
prisioneiro da minha cruz: sou um homem livre
e não sei exactamente o que fazer com isso.

Por imperativo
de consciência, sorvo a tarde.
Sei que na ilha vivo. Vivendo-a.
E, bebendo-a, desconheço
como são os contornos da liberdade.
 
 
 
José António Gonçalves
 
(inédito.23.01.05)
JAG
Enviado por JAG em 24/10/2005
Código do texto: T62845
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:26)
JAG