Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ESPUMA DE PEDRA

José António Gonçalves


É espuma de pedra vulcânica,
reparo seguindo as sombras,
todos os recantos do meu caminho.
Salgada, em brasa, por um dia
beijou a terra e nela deixou-se
ficar algum tempo, cristalizada.
Tem o seu coração de lava
revestido com os tecidos negros
do silêncio das noites de Setembro.
Não sabemos se ainda bate, se bombeia
sangue quente, se desespera por
imobilidade, mas deita-se ao sol
e ao escuro, em suave compostura.
Provavelmente apenas se encanta
com o espelho celestial da lua-cheia,
aveluda-se ao andar dos animais
ou vibra com os delicados pés
orvalhados das filhas da natureza.
Passaram tantos milhões de anos
e ali ainda dorme. Não me espanta
que no decurso de uma madrugada
dedicada às danças e ao vinho,
no intervalo do respirar de uma reza,
alguém a desperte. O mar aguarda
e a terra sabe; com ela não há segredos.
Os homens mantêm-se fiéis ao muro
da petrificação. Escondem os medos
na poeira das montanhas, na areia
do calhau. Cada um deles sabe
que um dia acordará sozinho,
no lugar em que apenas cabe
um outro coração, novo, vindo
do futuro. No centro da luz
um mundo virgem espera. Palavras
foram inventadas para serem escritas
no momento. Haverá estrelas, cânticos,
fachos, uma cruz, templos, procissões,
lágrimas depositadas num andor.
Existem orações que não serão ditas
se acontecer o milagre. Algures
numa gota de água irá descobrir-se
vida, um sopro persistente de amor
a construir as amarras da ilha de Circe.


José António Gonçalves
(inédito.17.03.05)
JAG
http://members.netmadeira.com/jagoncalves/

JAG
Enviado por JAG em 27/10/2005
Código do texto: T64324
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
JAG
Portugal, 62 anos
117 textos (41779 leituras)
4 áudios (187 audições)
1 e-livros (28 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 04:23)
JAG