Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ligeiramente lembrança


 
 
O homem se desumaniza do amor
Sua divindade musical e machista
Que seu paraíso muscular sinônimo
Acusavam de lembranças do que houve
Na esquina de um bar da promessa
De o fanático ser religioso do amor
Estrategicamente ele estava apaixonado
Esta longe de ser uma briga doméstica
Embora sua aliança esta o nome dela
Esboçada no final foi somente um beijo
Ela se recompôs do susto assim como ele
Que se sugavam não apenas perdão
Numa periferia não distante da morada
Vai reflorestar alguma região do coração
Com plantas de perfumes do jardim das almas
Ligeiramente tenho uma lembrança de você
Apavora-me um aquecimento no peito
Tudo isto teria que ser visto por você
O que essas causas todas têm em comum
Você esta expulsando o seu amor á extinção
Como diriam o velho machista "inimigo comum"
Da lógica do piano no centro do jardim
Serviu para cimentar meu coração
Ligeiramente pressupunha a abolição
Do consumo e assim por diante do espelho
Nenhuma pessoa prefere o esquecimento
Cujas águas do rio acolhem os peixes
Do belo jardim que nasceu em meu coração
Taticamente você é apenas uma lembrança
Perdida em meu pensamento globalizado
Edilley Possente
Enviado por Edilley Possente em 24/09/2007
Código do texto: T665960
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Edilley Possente). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Edilley Possente
São Paulo - São Paulo - Brasil, 51 anos
632 textos (25403 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 14:45)
Edilley Possente