Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cantiga de amor dos alvores da poesia palaciana portuguesa

Uma cantiga de amor  postada no fórum do mote poesia provençal


 Cantiga de amor


Mia alma que vos retraia
En gran cuidado por mia senhor.
No mundo não me sei parelha
Já cá morro por vós e ai eu
Mia senhor en gran cuidado
Quererdes que vos retraia
 Semelha que não acreditais
Que não vos vi feia
Os meus olhos vos sois
Tamanha formosura
Por quem padeço de amores
Semelha ai eu me cuidais
Pois me hei dilatado
Guarvaia almejaria
Assim teria mais valimento
A vossos olhos mia senhor.
De vos me consumi de querença
Me foi mal desde aquele dia…ai eu

De T,ta
07-10.07
11:14

Comentário ao texto que acabo de escrever imitando a forma de escrita da época. Com algumas citações.
Esta cantiga de amor, em que o poeta se dirige à mulher amada, louvando-a por seus predicados de formosura e dizendo-lhe que a ama desde o dia em que a viu, mas como é de baixa condição social, não tem vestes apropriadas e assim lamenta-se.
Mia senhor - era a forma de se dirigirem a uma dama de alta estirpe.
Ai eu - era o lamento.
Parelha -igual
que vos retraia-que vos descreva
Semelha -parece
Guarvaia- vestimenta palaciana de luxo de alta condição social

As condições sociais muito demarcadas ao tempo não permitiam a aproximação a grandes damas por gente da plebe assim só os trovadores se atreviam com as suas cantigas.
Tetita
Enviado por Tetita em 08/10/2007
Código do texto: T685455

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Tetita
Setúbal - Setúbal - Portugal
1397 textos (80787 leituras)
65 e-livros (5632 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 16:11)
Tetita