Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

...sorvo prados morenos dos teus olhos

Na mansidão da desordem
eclode a primavera de um tempo de medusas vivas,
a descerrar-se do beiral de roseiras e d’urtigas.

Ninfa primitiva dos bosques,
mastigo a beberagem da taça de cicuta
em goles dúcteis,
pequenos,
serenos.
Em deleite, antecipando a viagem,
sorvo prados morenos dos teus olhos, meu amado.

No talhe angulado e bilabiado da boca,
bebo-te a voz, quente, rouca, que me fala a alma,
que sacode negras nuvens da noite que agora morre.
(E dela, a mensagem primitiva, descodificada,
no amanhecer livre d’aurora.)
Liberto a fragrância de póstumas lágrimas
na aragem libidinosa que se escorre, derivada,
sendo seiva, saliva, de que se alimenta a planta,
do caule à folha, em cadência preliminar e recôndita.
Silencio o mais fino nevoeiro em gelosias de lume,
solto os seios, os limites, os anseios,
os desejos mais frementes.
Despenho-me ninfa ou fada, no teu colo, amado,
de melodia carmina,
e sou centelha Pré-câmbrica a eclodir-se vermelha
no primado duma Nova Era.

Amo-te para além do véu do vento,
perpasso a areia na procura da raiz deste bem querer imenso
e, por fim, sou sobre ela, serenada em ti,
a prata exultada em dia de lua cheia.
Mel de Carvalho
Enviado por Mel de Carvalho em 27/10/2007
Código do texto: T712624

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Mel de Carvalho
Portugal, 56 anos
129 textos (4556 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 19/10/17 02:06)
Mel de Carvalho