Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
Sou farsa, que o Amor criou
Na mente insana do mundo
Vesti a mágoa da vida
E a morte me conquistou
 
Sem estadas, sem olhar
Somente um tempo vazio
Pernicioso e arredio
Do abismo a precipitar
 
Lançando amores ao vento
Sem asas e sem destino
Tal qual homem peregrino
Sem vida, sem sentimento
 
E agora, ferida mordaz
Calcinação inerente
Fúria palpável, e emergente
E então, te deixei para trás
O Guardião
Enviado por O Guardião em 31/10/2007
Reeditado em 29/08/2008
Código do texto: T717600
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
O Guardião
São Paulo - São Paulo - Brasil, 52 anos
364 textos (34557 leituras)
13 áudios (2412 audições)
2 e-livros (1991 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/10/17 03:19)
O Guardião