Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

poemas ao vento II

 I



sei o que há em seu coração bondoso,

você, tão repleta de amor e ternura,

e, sendo eu um reles criminoso,

dê-me perdão e amor sua alma pura!



                         II



sirvo-me dos excessos da ilusão

a fim de escapar da fatal verdade:

como ter a parte de um coração

que a outro pertence na totalidade?



                        III



ainda que eu fale a língua de um homem santo

e transforme em ouro e luz uma palavra sórdida,

em mim não cessa de existir uma tendência mórbida:

querer conquistar uma sereia com o meu canto!

Clóvis Luz da Silva
Enviado por Clóvis Luz da Silva em 13/11/2007
Código do texto: T735405
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Clóvis Luz da Silva
Ananindeua - Pará - Brasil, 51 anos
36 textos (11552 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 06:27)
Clóvis Luz da Silva