Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EQUINÓCIO SENSORIAL

Ao Amor, eternamente ao mais belo e prolixo dos sentimentos
Poema Invisível
EQUINÓCIO SENSORIAL

Vamos traçar a alma
Vamos cruzar destinos
Vamos fazer um poema
Tudo isto
Ou pouco isto
Porque vales a pena
Porque és
Apesar de não te conhecer
Fundamental
O Universo sorri para nós
No

Equinócio Sensorial

Alinhando os corpos
Como se abraçam os astros
Na ciência
Essencial
A magia depende apenas de nós
E do nosso

Equinócio Sensorial

E eu
Afundo bem dentro de mim
Todas as estrelas
Que o meu olhar
Consegue abarcar
Sorvo-as
E cometo
O supremo pecado venial
De te querer
Para o todo o sempre
Esperando
Que nunca leves a mal
Enquanto sorriu e penso nesse

Equinócio Sensorial

Em eclipses sonoros
Dos nossos seres
Que se apagam
Episodicamente
Para dar lugar
A que a outra personalidade
Não se desvaneça
Esteja sempre presente
Esperando que isso
Para nós não seja fatal
Abençoamos pois o

Equinócio Sensorial

A minha Terra
Gira pois sobre o teu Sol
Numa maravilhosa órbita
Lírica
Que resulta
Nessa dança louca
Em que estamos e não estamos
Ao nosso lado
A lógica
Só o é para as nossas almas celestes
Nessa troca de sombras perene
E nada caduca
Expressão imemorial
Esta:

Equinócio Sensorial

Fogos fátuos
Abençoados
Pelo carisma
Da posteridade
“Primus inter pares”
Ou simplesmente
Um amor
À prova de bala
Que lançamos um ao outro
Quando a nossa lei falha
Mas unidos
Insufismavelmente unidos
Pela constituição
De uma filosofia
Amorosa
Demasiado dinâmica
Embora possa parecer banal
Soletramos as mesmas palavras:

Equinócio Sensorial

Porque me amas?
Perguntas tu
E eu respondo
Porque a minha alma de pastor das estrelas
Por Ti brama
Num canto bonito
No frio das noites
Em que não te sinto
E sinto que és a parte
Que me falta
De mim
Ser cauteloso
Mas nos afectos, nada prudente
Porque és etérea mas nada acidental
Naquele que é o meu

Equinócio Sensorial

Porque ele
Decidirá
Se as nossas Monções
Vêm para ficar
Se as tempestades do acaso
Serão a nossa realidade
Por mim
Não acredito
Pois o meu Deus principal
É a nossa interioridade
E a minha pessoa
Que até nem é boa a fazer contas
Sabe aquela que me interessa
Que o teu um mais o meu um
Dá lugar
A uma única parcela
Onde desafiamos a física
E ocupamos os dois
A mesma área
Os eruditos chocam-se
Mas nos olhamos tal
Divertidos
E sem qualquer tipo de embaraço
Porque somos ambos artistas
Do invisível
E na eternidade fazemos a nossa arte
Pintamos o nosso quadro
Com as cores
De um amor imenso
Que ocupa todo o Cosmos
Todo um imenso espaço
Nessa linha ténue e difusa
Mas bem real
Que é o amor pujante
Fundamental
E assim
Os Deuses foram clementes
Para connosco
E permitiram o nosso

Equinócio sensorial
Miguel Patrício Gomes
Enviado por Miguel Patrício Gomes em 14/11/2007
Código do texto: T737322

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Miguel Patrício Gomes
Portugal
5148 textos (173427 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 21/10/17 03:03)
Miguel Patrício Gomes