Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O POETA MUDO

De que importam meu ditos, se o universo da semântica não te pode achar?
Se o sangue quente da paixão eles não podem estancar
Se a tempestade que inunda o meu sonho em vão
São sombras simples que admitem a luz dessa ilusão?

De que adianta falar aos ventos pra desabafar?
Se dentro em mim um mundo de emoção vive a brotar
Se o mesmo vento que leva, traz de volta esse querer?
São verbos tantos que nos três tempos conjugam você!

De que importa que os lábios que te amam venham poetizar?
Se o sabor que buscam só tua boca pode destilar
Se na mudez seus gritos de amor vivem a te buscar?
São vozes minhas que juntas no teu beijo querem se calar!

De que adianta ter cores e talento para em telas retratar?
Se nem o sol repete aquele brilho visto em seu olhar
Se nem a música consegue ser igual à melodia de tua voz?
São meras sombras do paraíso em que me acho, quando contigo a sós!
Reinaldo Ribeiro
Enviado por Reinaldo Ribeiro em 28/11/2007
Reeditado em 02/01/2012
Código do texto: T756247

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Reinaldo Ribeiro
São Luís - Maranhão - Brasil
1975 textos (151334 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 01:00)
Reinaldo Ribeiro