Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Espera

Silêncio na madrugada,
E os olhos vigiam o mar,
As águas estão mais salgadas,
de tanto a moça chorar,
seus olhos encontram a lua,
mas não queriam encontrar,
As estrelas consolam a moça,
e pedem pra se acalmar.
o marulho que das ondas,
se ouve distante rosnar,
Traz espumas muito brancas,
São lenços pra angústia secar.
Mas não há pedido correto,
Pra dor da moça curar,
Pois o amor que ela perdeu,
Um dia alguém perderá,
E verá que é dor latente,
ver um pedaço da gente,
Morrer nos braços do mar.
E assim a moça chorando,
Passando as noites em claro,
Buscando em fé e em rezas,
Pedindo pra Santo Amaro,
Que traga pra areia fina,
O corpo à que se destina,
Velório, caixão e amparo.
Porque o pescador amado,
Amava o mar e ela também,
Por isso espera ansiosa,
Sentada, chorando, nervosa,
Um barco que nunca vem. . .
beto poeta
Enviado por beto poeta em 28/11/2007
Reeditado em 21/05/2010
Código do texto: T756718

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Você deve citar a autoria de José Roberto dos Santos silva e o e- mail pegasus_gja@yahoo.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
beto poeta
Guarujá - São Paulo - Brasil, 48 anos
49 textos (4036 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 22/10/17 01:28)
beto poeta