Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Prerrogativas do Amor

Amo-te mais que a fria brisa que bate em meu rosto
Amo-te mais que dias de chuva
Amo-te como cavalgadas em fim de tarde
Como sorver um cálice de vinho
 
Amar-te exige sacrifícios
Exige muito mais ser do que ter
Trás como conseqüência um desvairio da mente
Uma loucura compactuada entre o amor e a razão
Onde os dois sacrificam-se entre si
E crescem aprendendo...

Amar-te é muito mais que sentir
Amar-te é algo tão além do abstrato, que foge aos sentidos...
Sentidos esses tão excitados, que não exigem prerrogativas...
Mas para que? Se nem mesmo para o amor elas existem?
 
Amar-te vai mais além do que qualquer pensamento,
Qualquer ato...
É tudo e muito mais...
Trás a saudade massacrante da ausência,
As lágrimas doridas da distância,
Amar-te exige ter peito de aço,
Para suportar as conseqüências desse amor...
Que nesse instante me faz olhar para as nuvens do céu cinzento te buscando
Que me faz lembrar do gosto da saliva,
De como é doce o toque das mãos,
De como você vê a lua avermelhada daí...

E eu tão distante, mas tão perto...
Amar-te me faz ver que a vida pode e deve ser vivida,
E sentida.
Amar-te nada mais é que o vôo dos pássaros num fim de tarde,
Nada mais é as ondas do mar batendo nas areias,
O brincar com as mãos com o vento,
É fazer bichos enormes com as sombras, se os dedos são tão pequenos...
É esticar os braços e chegar em você...
Amar-te é tão simples,
E é tão complicado que é necessário não entender para sentir.

Priscilia Nascimento
Enviado por Priscilia Nascimento em 29/03/2005
Código do texto: T8493
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscilia Nascimento
Recife - Pernambuco - Brasil, 35 anos
222 textos (24432 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:43)
Priscilia Nascimento