Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Incontestável Amor

Encontro-me aqui com o coração doendo. A saudade sacrifica meu peito e estou longe do meu objeto de desejo.
Sinto-me uma tola, insolente que afronta com idéias e atitudes avessas aos meus verdadeiros sentimentos, atitudes essas que caem na inconveniência dos atos.
Queira Deus olhar por nessa nefasta solidão após desentender-me com o meu amor!
Ah! Amor... Quiseras tu não dominar-me!
Quiseras tu esconder-se dessa louca que tem a ti dentro do peito!
Ou deveras eu se esconder novamente de ti?!
NÃO!!! Veementemente, Não!
Não posso deixar-te, esconder-me, porque tu já moras em mim numa simbiose sincronizada e harmoniosa.
Mas onde estás tu? Que me deixaste aqui à luz de um abajur e com o choro abafado no peito aberto que sangra e que te abriga?
Vem, te apoderas de mim! Esquece os meus nefastos defeitos e chega pra junto!
Vem! Não jogue-me ao esquecimento, nem atira-me à solidão cruel.
Vem aquece-me em teu peito, me afaga com tuas mãos suaves e me acolhe com teu olhar seguro e sedutor.
Confessa com um beijo doce o desejo e cala as minhas súplicas.
Retira de mim o gosto amargo do arrependimento de gestos aquém do que poderia oferecer-te.
Permita-me te amar sem medidas e sem reservas.
Permita-me querer-te mais e mais, com teus defeitos e virtudes, pois mesmo sem tua permissão estarei aqui a te amar e te esperando, suplicando uma migalha do teu valioso amor.

Priscilia Nascimento
Enviado por Priscilia Nascimento em 03/04/2005
Código do texto: T9443
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscilia Nascimento
Recife - Pernambuco - Brasil, 35 anos
222 textos (24433 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:43)
Priscilia Nascimento