Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ASCESE DE UM FAROLEIRO

Rejeitei o mundo e seus progressos,
os vícios e seus prazeres,
fui viver isolado, nos rochedos marítimos de um farol.
E tudo que levei desse mundo cruel,
foram minhas vestimentas e o meu rouxinol.
Lá... Eu não tinha notícias do mundo,
não via nenhum ser semelhante,
nem ouvia nenhuma voz, a não ser a minha própria.
Chegava a parecer, que eu era o último sobrevivente,
de um dilúvio que abalara toda terra!
Ouvia apenas: o cantar do meu querido rouxinol,
o estourar das ondas nas pedras,
o assobiar do vento varrendo o mar,
e ao entardecer, via andorinhas povoando o imenso céu azul.
Hóspede de Netuno e vizinho de Júpiter,
eu ficava triste, vendo Apolo em seu carro de ouro
arrastando para o abismo, o meu amigo sol.
Mas logo, a doce Diana, trazia-me,
em sua carruagem de prata a lua cheia, para fazer-me companhia em noites de solidão.
Era o meu dever, acender todas as noites, a cúpula do farol
e também, passear sobre a vastidão das águas,
com o meu comprido leque, incendiado na tristeza noturna...
Pelo qual abria, uma estrada de luz na floresta da noite,
alertando e orientando aos que andam nas ondas...
Da torre do farol, eu olhava o céu enegrecido,
via estrelas cintilantes e reluzentes.
Olhava também, as águas que tomavam formas de montanhas
coroadas de espumas efervescentes!
Pensamentos passavam pela minha cabeça como nuvens passageiras...
(Eram alegres recordações de minha infância derradeira)
Pensamentos de nostalgia e de solidão,
também invadiram o meu coração,
orque os homens são egoístas, querem em tudo ter razão?
Aqui estou todas as noites, não para ganhar o pão,
mas porque Deus me concedeu esta profissão,
se esta for a minha tarefa para a minha elevação,
a cumprirei com toda fé e intensificada devoção.
Não devo nada ao universo alheio
e com o meu olhar no horizonte negro:
Velo pela vida dos felizes,
pela fortuna dos ricos
e velo pela prosperidade também dos maus...
Pois sou homem de pensamento, velando sobre o oceano das idéias...
Não sou inútil quando dou um grito de luz,
levantado do vazio do céu e do vácuo do mar...
Porque sei que existe alguma embarcação,
neste grande oceano, que eu venha a orientar.
Por isso vos digo: Filhos de Allah!
O meu posto é na torre deste farol,
varrendo com o facho do meu cérebro,
a imensidão do céu e a vastidão do mar!
 Fim desta, C. Santos.
Akeza
Enviado por Akeza em 10/02/2006
Reeditado em 11/02/2013
Código do texto: T110006
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Akeza
Canavieiras - Bahia - Brasil, 55 anos
2367 textos (403159 leituras)
59 áudios (108003 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 23:03)
Akeza