Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

UM POETA BRASILEIRO!

Ai meu deus! Quanta saudade do
Grande poeta, do compositor,
E do sambista (Agenor de Oliveira) O “ CARTOLA”
Nos seus versos, brotavam o amor, cantava na vida,
Os seus anseios, desilusões, despedidas doídas...
Rimava, com tudo rimava, brindava sua poesia com sentimentos!

Desde de menino (oito anos), tocava cavaquinho,
E compunha suas primeiras melodias.

O menino da mangueira voava,
Lá com outros amigos, mesmo que
Impróprio pra época, coloriu o morro de verde e rosa,
Vestiu a camisa e fundou,
Estação Primeira da Mangueira!
Ia assim o pobre rapaz, voando, ganhando o mundo.
Rindo, muitas vezes respondia... Poeta eu, como pode?
Ainda nem terminei o primário!

O poeta trabalhou como pedreiro, pintor de paredes e lavador de carros,

Coisas que sabia e gostava de fazer (Bicos),
Ainda assim, mestres da cultura mundial (*), subiam o morro,
Rumo as suas poesias e melodias,
Turistas aplaudiam a genialidade e a simplicidade do artista. Mesmo assim,
O homem (CARTOLA), morreu pobre, porem repleto de poesia! Morreu
Lá no alto dos seus bem vividos, setenta e dois anos de idade. E deixou
Ao mundo, a grandiosidade de sua sabedoria!



(*) – Mestres da cultura musical como Villas Lobos e Sokovsky


Pra quem não conhece bem a grandiosidade (semi-analfabeto),
da genialidade poética de Cartola.

Nasceu na cidade do Rio de Janeiro no bairro (Catete) em 1908,
Faleceu em 1980
Deixou para o mundo, além da grandiosa “ Escola de Samba Mangueira,”
Várias poesias e muitas letras de músicas como:

POESIAS              E                  LETRAS DE MÚSICA

 A canção da saudade              A mesma Estória

A cor da esperança                   Acontece
Assim não dá                             Alvorada
Autonomia                                   Ao amanhecer
Beijos                                          Cordas de Aço
Cadeira vazia                             Disfarça e chora
Catedral do inferno                   Ensaboa
Como é que eu posso             Fala Mangueira
Dois bicudos                             O sol nascerá
Eu fiz o que pude                      Peito vazio
Estudei de mais                       Tive sim
Fim de estrada

E muitas outras letras de músicas e poesias.
Mas, existe uma letra de música,
Que é a mais pura das poesias !

As Rosas Não Falam

Cartola 
Composição: Cartola


Bate outra vez
Com esperanças o meu coração
Pois já vai terminando o verão, enfim

Volto ao jardim
Com a certeza que devo chorar
Pois bem sei que não queres voltar para mim

Queixo-me às rosas, mas que bobagem
As rosas não falam
Simplesmente as rosas exalam
O perfume que roubam de ti, ai

Devias vir
Para ver os meus olhos tristonhos
E, quem sabe, sonhava meus sonhos
Por fim


Esse é o nosso brasileiríssimo CARTOLA!





paulo cesar coelho
Enviado por paulo cesar coelho em 25/02/2006
Reeditado em 25/02/2006
Código do texto: T116028

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
paulo cesar coelho
Niterói - Rio de Janeiro - Brasil
2589 textos (470523 leituras)
57 áudios (6064 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 18:34)
paulo cesar coelho

Site do Escritor