Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POETA LUSITANO

Meus olhos não te viam,

Mas meu coração sabia que existias...

Noutra terra distante, com outro destino

Tão longe dos olhos e tão perto do coração.

O destino prega-nos peça...

Põe separados espíritos afins,

Para que um dia,possa chamar de “acaso”

O encontro que já estava previsto

Há tanto tempo... (além do que pode supor nosso

pensamento).

Esse reencontro de alguma forma acontece,

Como aconteceu conosco...

Tão distantes, e tão próximos...

Tão desconhecidos, e (que graça)

Tão conhecidos, que um prevê o que pensa o outro!

O destino nos faz crer que o encontro fora “obra do acaso”.

Acaso? Não... Já estava previsto esse dia,

Escrito no Livro do Mundo,

Que embora em terras opostas,

Nossos corações se encontrariam

E falariam a língua dos anjos,

Falariam a linguagem de Deus...

Do amor, da alegria, do respeito,

Da felicidade, da tristeza e dos sonhos...

Das lágrimas que se transformam em sorrisos,

E de sorrisos que se convertem em lágrimas...

de alegria, de emoção, de tristeza, de saudade...

Nossos corações ditariam poesias,

Surgidas do fundo d´alma,

Pois sabiam do reencontro entre almas irmãs...

Almas sofridas, caladas que suportam resignadas o que

escolheram para si.

Você e eu, meu querido...

Espíritos consagrados ao bem maior...

Que os olhos humanos não conseguem ver,

Não estamos unidos pelo corpo carnal,

Mas pelo amor sublime que existe entre dois corações

Tão conhecidos, tão afins, e tão necessitados de

crescimento.

Agora que te encontrei,

Seja meu esteio, meu ombro amigo, meu livro aberto,

Que eu serei para ti, a amada que sempre sonhaste,

Aquela que está pronta a ouvir-te o choro, os soluços,

E emprestar-te o colo para que durma o sono dos anjos...

Que estará presente nas suas horas de insônia, e

Que dividirá contigo as difíceis batalhas do caminho...

Sejamos um para o outro:

Amigos, conselheiros, parceiros, companheiros, amantes...

Para que as duras penas dessa existência possam converter-

se

Em suave brisa que passa...

E que chegando ao fim de tudo,

Possamos nos reencontrar com a certeza

Da missão cumprida, e prontos

A continuarmos nossa caminhada juntos novamente,

Rumo ao infinito...

Cláudia Marques
Enviado por Cláudia Marques em 02/05/2006
Reeditado em 26/08/2006
Código do texto: T149144

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cláudia Marques
Cruzeiro - São Paulo - Brasil, 42 anos
232 textos (153634 leituras)
2 e-livros (107 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 15:02)
Cláudia Marques