Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Verso-te vento...

Quando te sinto, sou o arauto !
Forjando a pena, um belo poema
Arestas risonhas rimando auto
Nas linhas dissertando dilema...

Inalo amor dizimando a dor
Suspiro encanto respiro segredo
Inspira-me, oh! vento ardor
Aquece o gélido do degredo...

É a luz deste candeeiro
A chama do amor flamejante
Daquele que amei primeiro
Já que fui tua naquele instante...

Senti seu sopro derradeiro
Não foi engano, inda infante
Aquele verso solfejou janeiro
Trouxe-me lágrimas o riso hiante...

Soprastes intenso, naquele verso
Na areia fina de meu deserto
Foi o batismo, te senti perverso
Não entendi o abraçar desperto...

Hoje te canto, na mesma areia
Na memória de meus gravetos
Que foram penas, inspirando idéia
Ora o mar leva meu verso inventos...

E se te fujo não encontro rimas
Bordando temas do sentir que sinto
E se te busco flano nas gramas 
Sois  idílio a nutrir- me o  canto...

Não sinto medo ser redundante
Pois são letras, a secar –me o pranto
No abandono de qualquer amante
Rindo meu riso quando a ti encanto...

Esvaem-se sombras, em luz me faço,
Ensurdeço vozes dos desencantos
E silencio-me em seu regaço
ouvindo das folhagens cânticos...

No passar das horas voejando campos
Dou asas às flores e água as fontes
E tudo pode, por que sois velozes !
É labareda consumindo os troncos...

É chuva forte dentro não pinga
Não sois garoa é tempestade mesmo !
É ventania poetando em ginga
Como valsando o dançar a esmo...

Por entre as nuvens dos desatinos
da lua nova copulando oitante 
o ver distante trilhando destinos
na escura noite duma aurora crente...

Que nasce o dia, varão longe as dores
Por vós sopradas para bem distante 
Poeto o vento, e devo a ti louvores
Pois sois em mim, o estimulante...

E quando sopras minhas noites frias
Aquece-me a mente  sois pura magia!
Incinerando minha cama vazia
Arde -me fantasias, o que me crias...

Odoras no leito que em brisa ateias
esvoaçando meus pensamentos 
sois  progênie a correr nas tantas veias 
da carcaça versejando sentimentos...

Insuflas-me noites a querer amores
Fremi em meu corpo aliciando
entranhas, ateias sentindo ardores
sois tu oh, Vento o meu ente amando!

A ti dedico o tronco do "Ébano"
As sementes que a ti consagro
São poesias dum contralto arcano
Quiçá odes a meu ser sagrado...

São relances, serão relâmpagos !
Talvez encantem quando eu encantar ,
pois existe a morte em meus afagos 
morrem gemidos, poeto pra decantar...

Pois ardendo em brasas o "Ébano forte"
lenhas e linhas a ti versadas, hão de voar!
Flamejando a mim, sorrindo em meu norte.
Fagulhas crispadas  rimas hão de  voejar !

“O poeta é o vento, a poesia o horizonte.”
A face que sorri, desta alma que infante
voeja a lira vagueando doravante
Que versa ao vento o seu EU gritante!

“A Poetisa dos Ventos”
Deth Haak
28/7/2006


Grata a Malubarni, essa composição foi inspirada em seu comentário ao texto "Excitante".


Deth Haak
Enviado por Deth Haak em 27/07/2006
Reeditado em 28/07/2006
Código do texto: T203292
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Deth Haak
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 57 anos
547 textos (65377 leituras)
50 áudios (9723 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 06:14)
Deth Haak