Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Soneto à Querida Niterói


Ah... que saudades tenho de ti, Niterói,
Cidade vizinha a famosa Rio de Janeiro,
Alcançada pela ponte e pelos barqueiros,
Ah... que bons momentos vivi, como dói.

Passeava pelo calçadão da praia de Icaraí,
E de lá contemplava o belo museu de Oscar Niemayer,
Enquanto recebia a suava brisa da Bahia da Guanabara,
Poderia ir ao cinema do bairro que também ficava ali.

Niterói, Niterói, sois testemunhas de boas lembranças,
As bebedeiras nos teus bares, conhaques e tira gostos,
Que promoveram a minha alegria e o fim do meu alvoroço,
Niterói, Niterói, se pudesses falar, dirias intemperanças.

Mas intemperanças que adorei cometer, oh... doces delitos,
Sorrisos que nunca esquecerei, apesar de não puderem voltar,
Momentos de intensa aventura que não posso aqui relatar,
É, corrói, Niterói, corrói, Niterói, de fato como dói, Niterói,
Porém, sei que pelo menos posso ainda de ti me lembrar.




Todos os Direitos Reservados pelo Autor.
Fábio Pacheco
Enviado por Fábio Pacheco em 13/08/2006
Reeditado em 14/08/2006
Código do texto: T215955
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Pacheco
Recife - Pernambuco - Brasil
1095 textos (55953 leituras)
10 áudios (233 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 06:01)
Fábio Pacheco