Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
AO LÍRICO BALEIRO

Não entendo muito de sons e tons
Nem da sonoridade das palavras
Que desconexas formam paisagens
Visões de um mundo, win wnders,
Audível de Mark Knopler
Revelado no escuro.
Fotografia de tela não vista
No museu chipiano
Prisão de teclas insertas
Passeios navegados em solos nunca pisados
Capiscar do sentido
Denaveio solau

Falar com Zé
Como se conversa capistrana fosse possível
E eu solarenga animasse a noite
Sentados na calçada, a palmos da soleira da Casa de Rosa,
Conectar num tempo, como dantes,
Onde as fogueiras noturnas aqueciam os corações
Embalavam conversas e guardavam vidas em São João.

Olha, Zé, cá triste está,
Solilóquio é fuga do loquaz,
Garimpeiro de respostas,
Temerário da louquice
Que vagando solfa a nova melodia solmizada,
Diatônica, sem trelho nem trabelho.
É coisa de sandice, de solfista do mundo
E das canções que nunca são escritas
Mas que se propagam no ar
Sem sol, sem nada.


Brasília, junho de 2002
Divina Reis Jatobá
Enviado por Divina Reis Jatobá em 20/09/2006
Reeditado em 19/02/2007
Código do texto: T245032

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Divina Reis Jatobá - recantodasletras.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Divina Reis Jatobá
Brasília - Distrito Federal - Brasil, 55 anos
289 textos (39970 leituras)
6 áudios (1218 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 18:45)
Divina Reis Jatobá