Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Garçonete guerreira

Minha homenagem às garçonetes do Brasil, nos termos abaixo:


I
Sábado de uma quente noite de verão,
A garçonete entra no Clube, toda exuberante!
Lindinha e benevolentemente séria,
porém de riso fácil e super-cativante.
Simpática, hábil, sensível, delicada,
atenta, grácil, íntegra e compenetrada,
prestes a encarar mais uma noite extenuante.

II
Antes dos primeiros acordes musicais,
A garçonete veste seu uniforme alaranjado.
Roupa que não esconde seu charme
 e seu porte elegante, vívido e adocicado.
Cabelos presos, cérebro em alta voltagem,
corpo pronto para a batalha selvagem,
inicia seu trabalho de modo concentrado.

III
A garçonete por entre as mesas... ouvindo
pedidos em seu ouvido maravilhoso.
Atenta para não errar cada palavra.
Um sinal, um toque, um sussurro capcioso:
"Uma cerveja! Um Campari, por favor!",
"Pode me dar seu cartão, senhor?",
para atender cada cliente ansioso.

IV
O Clube, na madrugada, está lotado.
Fica difícil um completo deslocamento.
Ela se esforça, anda rápida como um raio,
não perde o rumo em nenhum momento.
Garrafas e copos são por ela conduzidos
aos clientes - estes seres emperdenidos,
sem danos e nenhum tipo de refutamento.

V
Ela está em plena sintonia com os clientes.
Senhoras, senhores, bêbados agitados
(a maioria dançando, eufóricos)
 e todos em  passos alegres e cadenciados.
Ela, séria ou sorrindo, sempre de pé,
andando, em passos vivos (menina-mulher),
seus músculos resistem... iluminados!

VI
É quase quatro horas da madrugada.
Ela está cansada, corpo esmorecido.
Além de pedidos, ouve cantadas, elogios,
conversas de bêbados, num vil alarido.
Não lembra quantas viagens fez até o balcão,
quantas bebidas conduziu por entre a multidão,
para cumprir seu trabalho endurecido.

VII
Mas a garçonete não dá o braço a torcer.
Ninguém percebe o quanto está cansada.
Continua firme, atendendo os clientes,
não boceja, não dá uma mínima fraquejada,
é uma guerreira, garota admirável,
honesta, de fibra lídima e inabalável,
mantém o ritmo forte por toda madrugada.

VIII
Finalmente, eis que a música pára.
Final de festa, hora de iniciar a limpeza.
O Clube está semivazio, naquele instante.
A garçonete percorre, impávida, mesa por mesa,
recolhendo, limpando, arrumando,
enxugando, esticando, organizando,
eficiente, mas sem perder sua graça e beleza.

IX
E quando tudo termina... um alívio!
Ela não está mais com o uniforme alaranjado.
Volta a ser a gatinha linda e delicada,
seu corpo não demonstra estar fatigado.
Está saindo do Clube - missão cumprida!
Feliz, por ser bela, honesta e aguerrida,
vai dormir um sono justo e recompensado.

Adoro vocês, garçonetes do Brasil!
Beeeiiijos!


FIM

Joderyma Torres
Enviado por Joderyma Torres em 07/10/2006
Código do texto: T258581
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joderyma Torres
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 51 anos
70 textos (14843 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 00:39)
Joderyma Torres