Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cruz e Souza

A SEPULTURA


Como a orquídea de arminho quando nasce,
Sobre a lama ascorosa refulgindo,
A brancura das pétalas abrindo,
Como se a neve alvíssima a orvalhasse;

Qual essa flor fragrante, como a face
Dum querubim angélico sorrindo,
Do monturo Pestífero emergindo,
Luz que sobre negrumes se avistasse;

Assim também do túmulo asqueroso,
Evola-se a essência luminosa
Da alma que busca o céu maravilhoso.

E como o lodo é o berço vil de flores,
A sepultura fria e tenebrosa
É o berço de almas - senda de esplendores.

CRUZ E SOUZA
em
PARNÁSO DE ALÉM-TÚMULO
por
Francisco Cândido Xavier

***** Dedicado aos que já partiram em busca da Felicidade *****
Moacir et Selena
Enviado por Moacir et Selena em 02/11/2006
Código do texto: T279985

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome dos autores e o link para a obra original). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Moacir et Selena
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 74 anos
736 textos (71178 leituras)
8 áudios (1059 audições)
5 e-livros (2339 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:20)
Moacir et Selena

Site do Escritor