Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Em memória de Rosa

Parte I - Em Memória de Rosa

Era o primeiro dia de aula
da renomada Universidade.
Gente nova se encontrando,
e dentre as novas amizades
aparece a Dona Rosa
com oitenta e sete anos de idade.

Era linda a criatura.
Sorridente e pequenina
com olhar iluminado.
Perguntei-a sem censura:
- O que fez a tal menina
de rosto enrugado
a começar com bravura
um curso superior
após anos e anos passados?

Respondeu-me brincalhona,
radiante e feliz
com um sorriso de invejar:
- Quero um marido rico,
ter um casal de filhos,
e aí me aposentar e viajar!

Rindo ela disse: - Brincadeira!
Indaguei-a novamente,
pois estava curioso
por sua tenra idade.
Respondeu-me de primeira:
- Sempre tive em minha mente
poder algum dia
fazer uma Faculdade.
- Pensei nisso a vida inteira,
eu sabia que eu podia,
eis enfim a oportunidade!

Fazia  muitas amizades,
vestia-se muito bem,
e gostava de atenção.
Era o ícone da gente,
sua sabedoria era além
da nossa imaginação.
Como uma máquina do tempo
compartilhava experiência,
sentimento e razão.

Então foi ela convidada
a falar em um banquete
no final do ano letivo.
Chegou toda preparada,
e ao começar a sua fala
desprezou a papelada
com o timbre emotivo.


Começou a discursar
que o segredo do sucesso
esta na arte de querer:
- Ficar velho ou crescer?
- Não paramos de fazer..
.. porque ficamos velhos,
e se ficamos velhos
é porque paramos de fazer!

Passaram-se os quatro anos
 e logo após a formatura
descansou no sono eterno
como a rosa mais querida.
Mais de dois mil alunos
acompanharam a despedida
daquela que ensinou de perto
um pouco mais sobre a vida.



(Inspirado em uma estória que nos ensina que nunca é tarde demais para sermos tudo aquilo que nós podemos provavelmente ser )
Carlos Eduardo Milito
Enviado por Carlos Eduardo Milito em 07/10/2007
Reeditado em 17/09/2015
Código do texto: T683966
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, fazer uso comercial da obra, desde que seja dado crédito ao autor original (Carlos Eduardo Milito). Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Carlos Eduardo Milito
São Paulo - São Paulo - Brasil, 53 anos
28 textos (3421 leituras)
4 e-livros (12675 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 20/08/17 18:28)
Carlos Eduardo Milito