Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DUETO POÉTICO CARLOS & DENISE _RIFA-SE


RIFA-SE

Rifa-se aquilo que queremos e o que não queremos também
Rifa-se uma oração, um salmo divino, um pastor dizendo amém
Rifa-se um coração quebrado por um amor enganoso
Rifa-se uma bala perdida resultada de um crime doloso
(Quem compraria tal oferta de ocasião?)
(Penso que apenas o ladrão!)

Rifa-se uma tela em branco à espera de sonhos coloridos
Rifa-se a cura de males profundos, de amores sofridos
Rifa-se dólar, euro ou até real_ (rifas sensacionais!)
Rifa-se a esperança de uma vida melhor, de um mundo de paz
(Quem compraria tal oferta de ocasião?)
(Penso que toda uma multidão!)

Rifa-se aquilo que queremos e o que não queremos também
Rifa-se a ternura esquecida,a rosa branca,a dúvida da vida no além
Rifa-se uma sonata imperfeita de compositor decadente
Rifa-se a cor que não há no arco íris, a fé do crente

Rifa-se tudo...Rifa-se nada, a luz da madrugada
Rifa-se o amor...rifa-se a poesia
E esta rifa com certeza, toda ela, eu compraria!

Denise Severgnini


Rifa-se
Rifa-se um coração partido,
de um pobre poeta apaixonado,
que teve seu sonho destruído pelas trevas da desilusão.
rifa-se um coração de um velho deprimido.
Rifa-se um coração que há muito bate descompassado.


Rifa-se uma caixa de lembranças,
que no tempo ficou esquecida,
dentro dela estão mil sonhos das minhas adormecidas crianças.
Rifa-se um antigo livro de sonetos de Augusto dos Anjos;
um álbum cheio de fotografias da minha cidade.
Rifam-se duas imagens de conhecidos arcanjos.
Rifam-se da minha alma de poeta todas as esperanças.


Rifam-se essas flores,
que não foram dadas como presentes para as belas moças,
que pensava eu serem meus verdadeiros amores.

Rifam-se essas velhas caixas com meus brinquedos,
meus companheiros de infância...

Rifa-se um livro com as fotos da cidade.
Rifa-se um caderno com uma poesia inacabada;
que gostaria de poder entregar a outro amigo camarada.
Rifa-se uma infância passada com dias de felicidade.

Rifam-se muitos segredos,
que jamais puderam ser confessados,
muitas das minhas aventuras que foram terríveis pecados.
Rifam-se de minha alma uma centena de medos.

Rifam-se meus sonhos imortais,
os meus tempos de juventude,
toda a minha virtude ...
Rifam-se todas as recordações de bom tempo que não volta mais.
Rifa-se meu bem de valor inestimável: minha virtude
   
Rifam-se esses livros de Romance que pude ler,
rifa-se essa perfumada flor
que nunca pude dar ao meu único e grande amor .
Rifa-se uma caixinha de sonhares,
com esses poemas dos meus cantares.
   
CARLOS Boscacci





Denise Severgnini
Enviado por Denise Severgnini em 12/11/2005
Código do texto: T70778

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original (Denise de Souza Severgnini http://www.denisesevergnini.recantodasletras.com.br) e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Denise Severgnini
Novo Hamburgo - Rio Grande do Sul - Brasil, 57 anos
11345 textos (916668 leituras)
16 áudios (8882 audições)
311 e-livros (34109 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:46)
Denise Severgnini