Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto
COM O AMOR DE CADA MANHÃ


Aquela cadeira vazia,
No canto da sala,
Sem serventia,
Onde o nada a embala,
De fora a fora,
Já foi útil outrora,
Pertencia a uma digna senhora,
Seu nome? Maria,
Mas, todos a chamavam,
De vovó dindinha,
Quando a conheci,
Era bem idosa,
Bastante enferma,
Mas, cheia de prosa,
Uma gracinha!
Quase não andava,
Na fiel cadeira se acomodava,
Sempre que eu podia,
Fazia-lhe companhia,
O seu olhar brilhava,
Ela me abraçava,
Contava-me muitas histórias,
Que me levavam à glória,
Que esplendorosa gana!
Força que emana,
com uma preciosa fé,
Do coração de uma mulher,
De maneira espetacular,
Concretizou o verbo amar,
Casou-se,
Filhos, não pôde ter,
Dedicou-se,
Com imenso querer,
Com a graça de Deus,
Aos filhos que não eram seus,
Nove irmãos do mesmo clã,
Criados com cuidado,
Com o amor de cada manhã,
Todos encaminhados,
Nenhum ficou sem guarida,
E ela; já quase sem vida,
Sorria agradecida,
Com o tudo consumado,
Cadeira vazia –hoje empoeirada,
Já foi trono de uma rainha – sonho dourado,
Não morreu – apenas foi transportada,
Pelos anjos para o outro lado.




DELEY
Enviado por DELEY em 16/11/2007
Código do texto: T739877

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
DELEY
Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil
4965 textos (187843 leituras)
4 e-livros (1657 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/10/17 06:05)
DELEY