Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A luz do mundo

Abre-se a porta
cuidadosamente
na mesa, um prato só
restos de raviolli de ricota
- como era bela a cozinha -
na taça fria
um pouco de vinho
do Porto

Talheres frios
exatamente
separados
- como crianças
que tornaram-se adultas -
extremos
opostos

A poltrona reclinável
- que o vô adorava -
fora do lugar
retrato dos velhos pais
tombado no centro
da estrante preta

Sala intacta
estranhamente
muda
os cãezinhos não mais aparecem
- saudade -
as crianças cresceram

A TV dessintonizada
o som, que tanto falava, não falava nada
agora nada

- Não, o quarto não
o quarto dos velhos é sagrado,
a não ser pra brincar com o Luciano,
um bichano que a mãe criava -

O jardim tem flores lindas
ainda tem
aves tem ainda
- a natureza insiste em apaziguar o homem.

Volta-se à casa
já não há mais nada
- engano -
há sim um vazio
maior que os limites
da casa amada

O vazio, vazio correndo
cada fresta preenchida pelo vazio
cada lágrima consumida pelo vazio
cada riso dispersado - docemente- pelo vazio

Tanto cuidado dos pais
tanto zelo e carinho dos avós
tanto amor com os queridos amigos
mas, pra que tantos tanto, meu Deus,
se esse pranto sofre sentindo
o canto mudo dos periquitos
na pequena varanda coberta?

Não há mais frio
o vazio é quente
frias são as imagens
as lembranças, a saudade
das crianças inocentes
que hoje não conseguem
sequer o direito à vida!

As crianças – por Deus
olhem pelas crianças!
quando não houver mais a inocência
e a esperança da criança, será o fim...

(...)

E quando a casa amada expulsa o homem
tranca-se a porta: o adulto fora
a criança vive feliz, na casa
e não há vida sem luz.

Coitados de nós.
Permart
Enviado por Permart em 28/11/2007
Código do texto: T756604

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Permart
São João de Meriti - Rio de Janeiro - Brasil, 36 anos
21 textos (695 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 23/10/17 17:08)
Permart