Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AO MEU ANJO PORNOGRÁFICO...

Há anjos...

Que flanam em minha mente  versando a hermafrodita,
Aos quais  amo e doo, aquém bendigo o poema dito
Há anjos que incitam o poetar lubrico,como bendito Baco!
A seduzir-me o íntimo, incitando uivos ao sorver o rubo.

Há os que povoam meus sonhos, em gemidos desatinados
Desalinhando alcova metafísica, em lençóis estrelados...
Amando-me, em camas lunares e terráqueas, ofertando-me alôs
Sorvidos de prazeres embriagados, servidos em taças de nácar...

Há anjos, simplesmente achegados que como cupidos no hálito do vento, adentram a janela do cerne, voejam jardinam e sabido do senso, ara o solo de imperfeitos amores, e a os que Infernizam dizendo como vai, e somem... Há esses anjos, sem nome sem cor, os insanos comensais do juízo...

Ah anjos, que me trazem encanto nas trovas, aromas fulgurados para lúdicas poesias  Anjos disfarçados, arcanjos diversos musculosos que  até dizem poemas! Ah anjos, que se vestem másculos, ao fazer-me alada nas asas desconhecidas dos aforismos...

Como Nelson Rodrigues, inspirando os versos de minha escrita;
nada impoluta! Exacerbam com suas frases o dissertar sem hipocrisia
Trazendo-me libido, resvalando prazer maledicente. Poeta menina estiolados matizes de anfetamínicos sêmens, cantados ao falo por um dia.

E sem perder a doçura e o romantismo, instigam enlevos aos que sentem nas entre linhas dos  promíscuos falos, nos falos de amor entre as portas abertas de tempos outros! “As pudicas” meretrizes, ah... Perdoem-me as incrédulas, que não se conhecem, continuem olhando pelo buraco da fechadura...

Ah anjos que volitam, alamedas aclamadas por momentos em nossas vidas. Propondo-nos algumas horas instigantes, e em presença de uma falsa moral, deixa-se ir o anjo... E lá se vai no alento da brisa, menos uma cavalgada amoral! Ah meu anjo pornográfico, sois meu gosto! Viva em gozos a perseguida!!!!

Deth Haak
" A Poetisa dos Ventos"
21/12/2005

21/12/1980 data do falecimento, Nelson Rodrigues

"Sou um menino que vê o amor pelo buraco da fechadura. Nunca fui outra coisa. Nasci menino, hei de morrer menino. E o buraco da fechadura é, realmente, a minha ótica de ficcionista. Sou (e sempre fui) um anjo pornográfico."
 










Deth Haak
Enviado por Deth Haak em 22/12/2005
Reeditado em 23/08/2012
Código do texto: T89581
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Deth Haak
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil, 57 anos
547 textos (65339 leituras)
50 áudios (9714 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 21:54)
Deth Haak