Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMA PACÍFICO



Que não te falte o que a nós tanto sobra-oxigênio-,
(Oh, pequeno homem num país em guerra),
Quando te sentires sufocado pela poeira e pela fumaça,
Por veres diante de ti o edifício se contorcer,
Vergar, morrer...
E tu, na opaca visão que te resta,
Não enxergas as mãos que te estende a natureza,
Nem escutas que chamam pelo teu nome
Já que em vão rezas pelo deus errado...

Que te sobre um pouco do que não nos tem faltado-quase paz-,
(Oh, pequeno combatente em batalha quase perdida),
Quando necessitares repousar teu corpo
E adormecer sorrindo aos sonhos de infância.
Por teres visto diante de ti
Verdes vidas em pomares coléricos sendo colhidas,
E tu, que da esquiva ave queres o vôo,
Não enxergas os anjos que te entrega o céu,
Nem levitas por sobre os peixes,
Já que, em vão, seduzido fostes pelo discurso da máquina.

O que não nos falta te pertença agora-dúvidas-,
(Oh, pequeno viajante em imenso universo),
Quando tábuas e leis se derramarem sobre ti
Como estranha enxurrada celeste,
Obrigando-te a te curvares à profecias e invisíveis mundos.
E tu, que tens a fé como perpétuo motor,
Não enxergas que templos são destruidos,
E na Terra de agora apólices eternas só oferecem malefícios,
E tu, ofegante, emprestaste tua crença à pastores sem rumo.

O que falta faz e nem tanto outro sobra-alimento-,
(Oh, pequeno lavrador em terra triste e árida),
Tenhas quando ouvires ao longe, no leito,
O filho que nasce e devolve à vida
O banquete da criação eterna da carne em si...
E tu, que sem forças ergues do poço o balde,
Seja benvindo sempre à ceia de todos,
Mesmo que fartas mesas retirem de outras
O pão que te consagra e te fortalece,
Para que tenhas o que servir
Àqueles que esperam de ti a plural seiva da vida...

O que nunca nos faltou e nos faltará nunca-esperança-,
(Oh, pequeno coração que tange eterno e decidido),
A ti seja um rio que cessa nunca de ir ao mar,
E te seja oceanos que à boa pesca sempre te convidam,
Para que em meio à tempestades varie o rumo e nunca a rota
De teu barco humano, oh, remador...
E teu legado possa oferecer aos que virão
A estrela em que tu te transformastes,
Para assim guiar os novos argonautas
Em labirintos de desvarios tantos,
E te encontre, no final dos tempos,
A face clara do conhecimento engendrado...
E então herdarás a sabedoria da límpida água que a sede sacia
Para que cantes a melodia àqueles à beira do mundo,
E a fusão de todas as metafísicas reinará
Dentro e fora dos sonhos de toda humana realidade.


Preto Moreno









Preto Moreno
Enviado por Preto Moreno em 30/06/2006
Código do texto: T185135

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Orivaldo Grandizoli). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Preto Moreno
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil
6783 textos (102545 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 13:01)