Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pergaminho.

Pergaminho.


Lá em Búzios perto da rua das pedras como em uma poesia singela
passa pela janela dos meus pensamentos um rapaz com um tubo em forma
de bolsa nas costas, eu imaginei um pergaminho raro, em tubo de ouro,
com palavras nunca escritas e com dizeres nunca ditos, em uma língua
nunca registrada, de um povo e uma sociedade sem identidade.
Um pergaminho de sete metros de comprimento, e por um momento,
o sol se esconde, e o céu fica mudo, às onze horas e onze minutos.
E se abre um portal na rua das Pedras. Eu lembro do rapaz,
não sei porque, seu nome é Rafael, esses escritos não tem idade
nasceram antes de passarem pela ponta do lápis, eu sei todo seu conteúdo,
só não me pergunte como. Você lembra da árvore da memória, linda,
onde íamos descansar? E dos seus frutos cor de rosa, da sabedoria.
Aí desce a nossa volta, uma deusa vestida de luz, com um manto azul
e todo o imenso campo verde reluz e irradia o amor e a sabedoria.
E nesse dia ficou a alegria de sermos eleitos e gravado na memória,
em todos os seres daquela raça, a nossa história. Mas dito isso,
fomos expulsos do paraíso e só voltaríamos quando praticássemos
os ensinamentos do pergaminho. Mas como? Se nada estava escrito.
Olhei para o céu, e pensei, é só um pergaminho. E não é do Mar Morto,
talvez outro, também não está perdido. Quem sabe o evangelho de Judas,
ou algo parecido. Olhei para o céu e pedi ajuda. E só um pergaminho.
O resto é mistério e todo mistério vem do céu, e só um pergaminho,
sem dizeres, sem escritos, o que vale é o exemplo vivo de um rapaz
andando na praia carregando nas costas todo o conhecimento do mundo
para que os que venham atrás possam ler e conhecer a verdade
e conhecendo a verdade, abraçar a liberdade de ir e vir nos ensinamentos.
Devemos colocar todo o conhecimento onde possa ser partilhado
pois conhecimento guardado para si mesmo e tesouro sem valor.
Nossos defeitos devemos carregar em uma mochila a nossa frente,
para não esconder de nós mesmos, e eliminá-los com o passar do tempo.
Dizem que para sermos livres temos que abrir mão do nosso livre-arbítrio,
sufocar o próprio ego, entregar a nossa vida ao divino mistério.
Talvez eu prefira ler o pergaminho sem nada escrito
pois na verdade ao contato com a luz de uma vela,
ele se revela, e faz do que é segredo conhecido,
e do mistério revelado. Aquele que já tem, mais será dado.
Ricardo di Paula, 04/10/07. am 09:40.



Ricardo di Paula
Enviado por Ricardo di Paula em 22/11/2007
Código do texto: T747122

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Ricardo di Paula.(ricardo.mync@ig.com.br)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ricardo di Paula
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 49 anos
327 textos (72302 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 16/10/17 22:21)
Ricardo di Paula