Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A morte da saudade

O quarto estava na penumbra.
Ainda não se habituara a adormecer totalmente às escuras e por isso mesmo mantinha um pequeno candeeiro de luz fraca sempre aceso. Não se destinava a iluminar, era apenas para a sossegar.
Acabara de se deitar.
De repente o telefone toca. O ruído sinistro e impessoal soou estridente no quarto, ferindo os tímpanos, como se penetrasse o seu cérebro que se preparava para descansar.
Quem seria?
Olhou para o relógio digital.
Não era ainda muito tarde!
Mas o seu coração, bateu mais forte…
Lentamente, levantou o auscultador…
- Está lá… sim? … - Disse na sua voz meiga e natural.
- Olá amor!!!
Aquela voz… oh, aquela voz. Tinha o condão de quase a fazer flutuar sempre que a ouvia, aumentando o seu ritmo cardíaco. E ultimamente apenas a escutava por aquele estranho aparelho. Como ansiava por ouvir novamente aquela “sua” voz ao vivo, sem distorções eléctricas e ruídos de fundo.
- Olá querido, que surpresa! Quando voltas? – Disse ansiosa.
- Tenho uma notícia para ti...
- O que é?… – disse ansiosa.
- Sabes quem morreu há segundos?
- Não… – Disse estranhando e já em sobressalto. Pensou rapidamente em todos os seus entes queridos, mas desconhecia que alguém estivesse doente. – quem?... Disse amargurada.
- A saudade, meu amor, a saudade! Morreu feliz, quando atendeste!...

Luís Monteiro da Cunha
Enviado por Luís Monteiro da Cunha em 27/03/2006
Código do texto: T129358

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Luís Monteiro da Cunha). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Luís Monteiro da Cunha
Portugal, 54 anos
36 textos (837 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:02)
Luís Monteiro da Cunha