Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANCESTRAIS


    Trago em mim saudade rara,
    da aurora da minha geração;
    digo, do negro das senzalas,
    precursor do calo na mão
    e da dor no coração.
    Ouço claro o açoite e o choro
    à noite cruzarem o luar;
    e também vejo no terreiro
    a mucama sapatear;
    e a roda a entoar um canto.

    E, no entanto, àquele pranto eu não verti.
    Mas cá no canto do peito,
    algo me diz que lá também vivi.
    Porque também desejo romper as amarras,
    resistir todas as barras,
    ser feliz como um menino.
    E essa saudade que me aperta,
    feito um banzo,
    vem mansinha, vem de longe,
    acho que é o meu destino.

    Vem de muito tempo atrás,
    com uma força que é demais;
    a dos meus ancestrais.

    O amor clareia os corais,
    com o sal de prantos demais;
    ai, meus ancestrais.

    Um pilão lamenta a paz.
    Meu Deus, por que não a paz?
    Ó, meus ancestrias!
Tony Guedes
Enviado por Tony Guedes em 05/07/2006
Código do texto: T188074
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Tony Guedes
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil, 47 anos
71 textos (2512 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 08:02)