Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Saudade danada...

Saudade,
esta forma invertebrada,
de me quebrar, bem quebrada,
em pedaços, pelo chão...

Não escolhe a hora exata,
não pergunta, vem, maltrata,
me deixando do avesso,
onde não me reconheço,
sem a tua aparição...

Que poder mais absurdo,
de arrancar meu frágil prumo,
como fosse um desafio,
onde louca, silencio,
sem querer explicação...

É uma luta já vencida.
Resistência sem razão,
apagar naquela hora,
todo fogo que se aflora,
no meu corpo em combustão...

Que saudade mais bandida,
que me deixa assim, rendida,
no suplício da aflição...
Que só passa quando sinto,
que teu corpo vem faminto,
bem na minha direção...

Angra sem Reis
17/10/06
22:38hs
Day Moraes
Enviado por Day Moraes em 17/10/2006
Reeditado em 17/10/2006
Código do texto: T266983
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Day Moraes
Angra dos Reis - Rio de Janeiro - Brasil
137 textos (4782 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:16)
Day Moraes