Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

TRÊS ALMAS, UM DESTINO!



Num segundo, os três balões foram cortados.
Em resposta, as auras foram tingidas de preto.
Um turbilhão de reminiscências aflorou,
Como que, revendo toda a vida num instante,
As três almas não compreendiam o momento.
Os caixões perfilados, as flores em coroa...
Condolências póstumas de parentes distantes
E amigos que jamais se apresentaram como tal.
Copiosamente as lágrimas escorriam a dor.
A indignação cobria os olhos lacrimosos.
Há poucos segundos passeavam de carro
E num instante seguinte a escuridão total.
A morte fora repentina, os mortos olhavam
Toda a movimentação do velório,
Mas não percebiam porque estavam imóveis,
Acondicionados naqueles sisudos caixões.
O cortejo fúnebre amputou qualquer chance
De retroagir ao tempo, tratava-se de morte.
A cova aberta, os caixões, a cova fechada.
O tapete de grama verde selou o ato silencioso.
Algumas flores sobre a terra vermelha
E a costumeira homilia ensandecida do pároco.
Então, as almas entreolharam-se e assentiram
A concordância triste da interceptação da vida
No adeus final, diante da incógnita do fenecimento.
Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 22/07/2005
Código do texto: T36889
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27425 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 08:44)
Paulo Izael

Site do Escritor