Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

DONO DOIDO

              para Adélia Prado
                                                                 


   Uma vez
   Eu ainda era menino
   Fez tanto sol em Itiúba
   Ainda hoje faz
   Que quando enfim
   Formou-se uma nuvem
   Meu pai, irado, saiu pro terreiro
   E blasfemou:
   Este ano, não chove
   Não vai ter chuchú, não vai ter milho...
   Sem milho, as galinhas não botam
 Como é que eu faço
   Angú pros meus filhos?
   Inspirado me mandou "pro São Paulo
   Onde chove todo dia
   Formando poças no asfalto"

   Agora, trinta anos depois
   Sou dono de roças
   Que dão chuchú, milho...
   Crio muita galinha, que botam muitos ovos
   Sei fazer um angú muito gostoso
   Mas não como nada disso

   Porque lembro do meu pai


   S. Paulo, 16/08/2007
   
CORDEIRO de ITIÚBA
Enviado por CORDEIRO de ITIÚBA em 22/08/2007
Reeditado em 22/08/2007
Código do texto: T619177
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
CORDEIRO de ITIÚBA
São Paulo - São Paulo - Brasil, 58 anos
546 textos (14582 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/08/17 14:37)
CORDEIRO de ITIÚBA

Site do Escritor