Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Era um trem, uma saudade.

ERA UM TREM, UMA SAUDADE.


Pelos trilhos da amizade,
Do meu bairro proletário,
Carrego ainda a saudade,
Do tempo que, sem maldade,
Fez-me um velho honorário.

Da via férrea querida,
Maquinista aposentado,
Relembro a imagem perdida,
No dia da despedida,
Do trem, lá abandonado!

Na alma, muito me dói,
Punhaladas da lembrança!
Pois no meu peito corrói,
O coração e destrói,
Todo o sonho de criança!

Mas não faz mal, é um trem!
Preto, velho e abandonado.
Os trilhos novos também,
Nem mais amizade tem!
Então não fico magoado!

Nas estações do destino,
Que tem desvio e cancela!
Sinto não ser mais menino,
Pra cometer desatino!
Ao viajar dentro dela.

Com meus cabelos bem brancos,
Já quase nada me afeta!
Mas meus sorrisos são francos,
Quanto doídos meus prantos,
De um verdadeiro “poeta”!

Foste o trem da lealdade,
Que encheu a vida de graça,
Mostrando que era verdade,
A forte dor da saudade,
De ti, “Maria Fumaça”.

Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 27/10/2005
Código do texto: T64162

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14595 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:52)
Condorcet Aranha