Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MISTÉRIOS DE INFÂNCIA

(para o Ary Pizarro)

Na década de cinqüenta
o Brasil era ferroviário.
Em cada cidadezinha havia um túnel
de mistérios e de infâncias:
era a estação do trem.

A Maria Fumaça
enroscava-se nos morros e vinha
fungando, furiosa:
“Já te pego, já te mato,
já te faço cumê barro!
Já te pego, já te mato,
já te faço cumê barro!”

No verão, os dormentes escaldantes
eram o telégrafo dos  sonhos:
a gente encostava a orelha
só pra ouvir o cochicho
dos “japas” e dos “chinos”.
Lá longe, do outro lado do mundo,
ainda havia o fumo dos dragões
e Hiroshima vociferava o futuro.

À noite, sob as cobertas,
apitos urravam as serpentes do medo.
E silenciavam os soluços.

Do livro OVO DE COLOMBO. Porto Alegre: Alcance, 2005,p. 48.

(Poema republicado. O título anterior era VIDA E SUAS MORTES. A titulação objetiva, mais consentânea com a temática, busca maior interatividade com o público. A virtualidade permite este proceder e ratifica o conceito de que literatura é matéria viva, mutável, portanto.).
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 07/11/2005
Reeditado em 07/11/2005
Código do texto: T68377
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709645 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 22:44)
Joaquim Moncks