Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

sementes da discórdia

não posso viver assim
morrer também seria indigno
estou numa encruzilhada
há um bemol sincopado
há uma partitura partida
ao meio
e tudo que me resta,
é uma melodia
monocórdica,
monossílaba

esse mar de incertezas
diante dos olhos,
um cisco,
um corisco
um verso

só lá tenho salvação possível
nesse verso,
no anverso virado de mim mesmo,
no revés de mão-dupla

esse riso irônico
travado
malvado
violando gradativamente meus tímpanos
o agudo perfurante de meus ossos
que doem até os dentes.

não posso viver assim
não me conformo
não aceito
não aborto a genética
eu juro que
não comecei o apocalipse
que nem fiz parte dessa
elipse que não fecha
o ciclo que não acaba
ou me acaba?
porque tanto conflito?

palavras se degladiam dentro de mim
e sai semântica pelos poros
me deixando absorta
absurda
e sem sentido

não há poder
não há poderosos
o que existe é somente
marionetes adestrados, permissivos
e subservientes
que se comportam como capachos
inverossímeis

não se humilhe mais
não vê que é um cadáver
que está morto
e cujo aceno derradeiro
foi plantar aos invés de sementes,
discórdias
Gisele Leite
Enviado por Gisele Leite em 18/10/2007
Código do texto: T700097
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2007. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Gisele Leite
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
1648 textos (3727317 leituras)
35 áudios (5080 audições)
25 e-livros (143548 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 17/10/17 09:12)
Gisele Leite

Site do Escritor