Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Encoberto




Vasto, largo Tejo, de águas dadas a horizonte,
Que espreitas mi alma ao longe,
São minhas as mágoas quem te tinge,
São tuas as águas por existires.

Se de bocados és tu, mais bocados tenho eu,
Que te vejo renascer todos os dias,
De azuis encostados à margem do teu saber,
Luz intensíssima de meu dizer.

Cai a neblina e seus segredos,
Pássaros esvoaçam por aí,
Assim eu em meus pensamentos,
Na tarde que se esvai por aqui.

Quantos lamentos, quantas vitórias,
Oh, meu Tejo abandonado,
Já não vem o Encoberto e a distância
A nós é feita e jaz o merecimento.

Jorge Humberto
27/12/05
Jorge Humberto
Enviado por Jorge Humberto em 28/12/2005
Código do texto: T91222
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Jorge Humberto
Portugal, 50 anos
2622 textos (66676 leituras)
22 áudios (937 audições)
13 e-livros (541 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 04:42)
Jorge Humberto