Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EVANESCENDO

Sob o firmamento azul e claro,
Tingido com o alvo e delicado Sangue dos anjos,
Pessoas  fenecem a cada segundo,
Na eterna busca do não pensar,
Na agonizante e despercebida Angústia do não saber.

Nas esquinas onde a imundície
E a degradação fazem par,
Almas vagam ao redor de cestos de Lixo,
Acompanhadas por moscas e vermes
Que têm mais a dizer e ensinar ,
Que os próprios homens.

Em cada respiração, resquícios
E indícios de dor;
Do mais velho ao mais jovem cada um agoniza,
O maior tormento
Pelos homens conhecido
Ao qual dão o nome de Vida.



Em choupanas conectadas ao mundo
Vê-se escravos de teclas e solidão
Que procuram numa tela
Amor, amizade,
E algum tipo de conforto...

Homens matam crianças,
Filhos das mulheres de outros Homens
Que matam,
Num ciclo vicioso e prazeroso
Para os chefes do mundo:
Pastores do rebanho acéfalo
Que nos tornamos a cada
Reality Show.

O pó esbranquiçado,
A fumaça inebriante,
O líquido extasiante,
A mais absurda forma de liberdade,
A mais primitiva forma de obtusidade:
Não enxergar o que os olhos teimam em mostrar.

Um lugar chamado Céu.
O andar superior de nosso inferno
Diário e vitalício,
Onde cada um morre
Da forma que mais lhe aprouver,
Tentando minimizar  a dor
E sofrimento do tormento
Que se convencionou chamar
VIDA.
Gustavo Marinho
Enviado por Gustavo Marinho em 28/01/2006
Reeditado em 22/01/2014
Código do texto: T105324
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Gustavo Marinho
Maceió - Alagoas - Brasil, 40 anos
82 textos (9806 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 03:05)
Gustavo Marinho