Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

QUEM SOU EU?

Quem sou eu?
Buscando o inacessível,
Tentando desvendar
O que já foi enterrado?
Perpetuando alguém
Que há muito se foi?

Nas entrelinhas
Que rabiscaram minha vida,
Até as dúvidas que suscitavam
Alguma esperança bélica
Em busca de entrevero,
Foram todas soterradas

Quem sou eu?
Um vernáculo ultrapassado,
A mercê de uma
Caótica e mudez semântica
Com seus dogmas reacionários,
Excluindo totalmente o novo?

Arquejo cansado de batalhas.
Cansei-me de falsos gênios.
Aquele que desconhece a eloqüência,
Não é digno da locução da vida
E, certamente irá se consumir
Na exaustão do tempo.

Agora me reconheço,
Como alma coadjuvante,
Atrelada a uma existência
Baseada numa matéria inútil,
Mergulhada no vício,
Estacionada na degeneração.

Sinto que atingi o máximo,
Para assimilar o mínimo.
Todo o conhecimento
Foi um errôneo acúmulo de informações
Que me diferenciou.
De tolo, me transformei em idiota.

Aprendi a ouvir palmas e risos.
Não havia corte, mas, eu era o bobo.
Aplaudiam minha decadência,
Sorriam de meu desmantelo.
Para que pudessem sobreviver,
Necessitavam de minha morte.

Vi desmontar o esquálido corpo.
Minha alma desistiu de viver
E levou consigo meu coração.
Fui destituído de sentimentos.
Apagou-se a chama que desmereci.
Exaurido, foi assim que morri...!



**** "ESCREVO O QUE SINTO, MAS NÃO VIVO O QUE ESCREVO" ****
Paulo Izael
Enviado por Paulo Izael em 25/03/2006
Reeditado em 08/04/2010
Código do texto: T128358
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Paulo Izael
São Paulo - São Paulo - Brasil
206 textos (27424 leituras)
1 áudios (171 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 08:19)
Paulo Izael

Site do Escritor